quarta-feira, 26 de maio de 2010

Fibromialgia: o que é e onde está?


AVISO: Post desabafo. É gigante e uma mega-seca, pois claro!

Este tema – não quero chamar-lhe doença – provoca grande discordância na classe médica. Dizem os reumatologistas que existe fisicamente, dizem os psiquiatras que não. Uma explicação aqui.

A dúvida é algo do género “Ovo ou galinha, qual veio primeiro?”; não se sabe se as pessoas ficam assim porque têm distúrbios psicossomáticos ou se têm distúrbios psicossomáticos e depois ficam assim, bah…

Faço parte daqueles que não acreditam na fibromialgia. Classifico, friamente, este estado – lá estou eu a não querer chamar-lhe doença – como o pretexto dos preguiçosos. Acredito que comece algures num dia em que se ficou tempo demais na cama e ficou-se com dores no corpo (que, ao que parece, nunca mais passaram).

As pessoas que se queixam deste mal fazem relatos exactamente iguais. Falam com na mesma intensidade de dor, nas mesmas dificuldades e frustrações. Pode acontecer a qualquer um, independentemente da idade.

Muito perto de mim estão duas pessoas com este problema. Mulheres, como a maioria, uma tem 48 anos e outra 24. Uma é o eco da outra. E eu? Bem... eu não consigo compreendê-las :-(

Não aceito a fibromialgia. Não acredito que ela exista enquanto “coisa orgânica”. Estou convicta que é fruto de um comodismo prolongado. Sou estúpida, ignorante e cruel… Culpo-me por isso todos os dias.

Não tenho humildade suficiente para aceitar que essas pessoas sofrem de facto. Têm dor. Não consigo entender; até porque quando se fala em dor é algo que não se consegue passar ao outro… É difícil.

Custa-me a entrega a este mal. A prostração, a aceitação de quem a sofre. Mexe-te, porra! Levanta-te! Não consigo… dói! Então faz qualquer coisa! Não te entregues, merda! Não consigo… dói!

Mas dói onde? Faz o quê? Porque é que não há tratamento definitivo? Porque os médicos não encontram nada. Não há inflamação, não há infecção, não já feridas, não há ossos partidos, não há fracturas expostas. Não há nada! Não se vê. Não se cura. Atenua-se com tretas que nem se sabe para que servem…

Os comprimidos amarelos são para fortalecer os músculos… os cor-de-rosa são para as articulações… os verdes é para quando chove porque dói de um lado e os azuis é para quando faz sol porque dói do outro. Também há os brancos pequeninos para dormir melhor, os brancos grandes são para não ficar deprimida, e as cápsulas são só para tomar em SOS.

São precisas caixinhas especiais que dividem estas merdas por dias, cores, tamanhos e quantidades. Fazem-se esquemas em papéis para ninguém se perder e não duplicar as doses, porque ainda por cima são todos caros e grande parte não tem comparticipação do estado.

Não posso acreditar que alguém esteja assim por gostar... Mas se a nossa cabeça pode tanto, e pode tudo… Porque não lutar contra isto? Porquê a entrega, porquê? Porquê? Porquê? :.-(

Aqui registo o meu mais sincero pedido de desculpas, pela minha estupidez e arrogância, me cegam e me impedem de vos compreender. Do fundo do coração... perdoem-me...

** Gaja //

7 Comments:

  1. Dama das Camélias said...
    O texto é grande mas tu tens uma linguagem boa para ler.
    Concordo plenamemte... eu as vezes também "sofro" do mesmo. Conheço muita gente que inventa doenças para aquilo que lhe apetece( ou não lhe apetece fazer). Eu não invento nada e nem me doi nada. Simplesmente não me apetece e pronto.
    Sónia said...
    Não conheço esse "tema", de forma a poder ajudar-te. Mas deixo-te um beijo bom e grande, cheio de energia positiva. E a esperança de que vai correr tudo bem.
    Nós... said...
    Bem sei do que falas...

    É como a historia do Pedro e do Lobo...dizem tantas coisas que quando dizem a verdd custa a creditar, ainda por cima quando não é algo "visivel", palpavel ou plausivel... :(

    Como te compreendo...
    Um xi coração apertado cheio de carinho!

    Beijinhos nossos
    Anónimo said...
    OLá, sou eu.
    Também me irrita que as pessoas se rendam. Muitas vezes é por quererem chamar a atenção, por não serem devidamente amadas... eu acredito e a doença psicológica é a pior que há.
    Os sintomas de que falam (fui ver o que era e os sintomas) tenho-os quase todos mas, além de não ter feitio para passar muita confiança a dores que consigo que passem, não tenho tempo para elas. Acho que o meu tempo é muito precioso e ainda tenho muitas coisas para fazer...
    Mas no meu corpo julgo já ter mossas suficientes que as provocam. As asneiras que fazemos quando jovens, não dimensionando que somos simples humanos, pagamo-las bem caras com o avançar dos anos.
    Por isso aqui vai um conselho de velhota... não abusem das vossas forças. Quando jovens podemos tudo mas um dia temos a factura para pagar.
    Só há um sintoma que nunca tive... Dificuldade em dormir. Pelo contrário... durmo em qualquer lado e o que me acontece é ter o sono interrompido por as costas me doerem imenso a meio da noite. Levanto-me, vou ao torno e volto para a cama e continuo a dormir.
    Adormecerem-me as estremedidades, é frequente... esfrega-se e passa... de manhã para levantar, tenho que fazer do corpo um todo para se levantar ao mesmo tempo e ala da cama para fora... se entretanto tusso, tenho que flexionar as pernas pois a dor não sei onde, incomoda a sério... vou à casinha, ligo a máquina de café e depois vou beber o café para o torno - o que é o torno? Pois é por uma almofada no sofá por trás do corpo, encostar as costas com firmeza e deixar que os ossos vão ao sítio e entretanto aproveito, tomo o café, ouço as notícias, fumo o meu cigarrito e estou prontinha para mais um dia de trabalho normal. As dores voltam no dia seguinte... e corro com elas...
    Só tomo medicamento para as dores de cabeça, que felizmente, são raríssimas.
    Mas sabes uma coisa??? É um bom meio de um dia ir para a reforma... ahahahahah.
    Beijinhos para ti e para os teus amores.
    Kitty said...
    As melhoras minha linda.
    Nesta vida ninguem se compreende...
    E mesmo que nao se veja, doi...
    Beijo........
    Álefe Souza said...
    Eu nao sabia dessa doença! Que estranho, nao? Em todo caso, é necessário mesmo lutar contra. Se a pessoa se entregar é mil vezes pior!

    Bjokas e nao te culpes por tua opniao! Eu entendi teu ponto de vista!
    Sonhos Animados said...
    podia(mos) estar aqui a noite inteira... tu sabes :)
    Bjoooooo grande

    A que tem 24 (que na verdade são 23 lol)

Post a Comment



Todos pensam em deixar um planeta melhor para os nossos filhos...

....quando é que pensarão em deixar filhos melhores para o nosso planeta?

Uma criança que aprende o respeito e a honra dentro da própria casa e recebe o exemplo dos seus pais, torna-se um adulto comprometido em todos os aspectos, inclusive em respeitar o planeta onde vive.